Aprendemos que durante a nossa vida estamos destinados a ter foco nas necessidades de sobrevivência, segurança e proteção para que termos uma vida confortável, conforme postula o estudo de Maslow. Porém para que possamos evoluir e chegar a insights que nos permitam desenvolver um novo nível de consciência, atingindo uma consciência superior, precisamos ultrapassar a lógica cognitiva, que limita nossa existência à racionalidade, ao cérebro.

É esse nível de conexão de saberes muito profundo e desafiador que nos transportamos dos “níveis de desenvolvimento psicológicos” para a ativação da nossa ‘mente da alma’, ainda a partir dos estudos de Richard Barrett.  Este é um processo em várias etapas que requer o desenvolvimento da percepção consciente de nós mesmos e dos outros.

Ativar nossa mente da alma é um processo de aprendizagem que é mais que cognitivo, que exige de nós a compreensão de que não somos apenas seres tridimensionais, mais quadridimensionais, ou seja, que somos também constituídos por uma transcendência. Definitivamente não somos apenas seres humanos vivendo em um mundo material.

Existem dois universos distintos que embasam nossa mente. O universo material tridimensional (ego), que é uma propriedade da nossa percepção; e o Universo Energético quadridimensional (Alma), que se manifesta no nosso universo material tridimensional (ego).

Experiência da realidade ego e alma

Nós progredimos em nossa jornada em direção ao aprendizado para ativação da Mente da Alma. Isso significa que há algo para além daquilo que já imaginávamos como sendo o mais profundo autoconhecimento e autodesenvolvimento – esse nível de percepção transcendental que eu chamo de Mente da Alma.

Mas como existimos em um corpo, em um tempo, em um espaço, essa mente da alma só pode ser acionada dentro dessa nossa existência. Não precisamos morrer ou ir para outra dimensão. Por isso, nossa mente do Ego (que é o mundo material) deve suportar e nossa mente da alma. Isso acontece na medida em que deixamos de nos identificar com o nosso ego e começamos a nos identificar com a nossa alma.

O ego

O ego é um campo de consciência que se identifica com o nosso corpo físico. Porque o ego acredita que habita um corpo e vive em um mundo material, vive na realidade tridimensional e pensa que pode morrer e, por achar que pode morrer, acha que tem necessidades para a manutenção da sua vida, e, por achar que tem necessidades, desenvolve receios de não conseguir satisfazer as suas necessidades.

As principais necessidades do ego são sobrevivência, segurança e proteção. A mente do ego é uma criação da mente da alma. A alma cria o ego para se proteger da dor e experimentar estar presente em uma consciência material. Porque a alma é poderosa demais para se mostrar como tal nessa dimensão tão pequena. Podemos entender nossa alma como nossa centelha divina.

A mente do ego não é quem você é; é quem você pensa que é. É a imagem do espelho, uma percepção limitada e fictícia. É a máscara que você desgasta para obter suas necessidades atendidas na realidade físico, social e cultural.

O ego representa seu senso de identidade em relação aos outros e o contexto social em que você vive. Sua identidade do ego começa, durante os primeiros dois a três anos da sua vida e atinge uma resolução natural durante os primeiros 20 anos, quando nos tornamos independente. É quando você chega a fase adulta da sua vida. Quando você define a identidade a sua mente do Ego é formada. Contudo, ao contrário de Barret, acredito que o tempo seja atemporal e por isso não devemos nos prender muito a idades, anos, à cronologia. As pessoas podem amadurecer e entrar na fase adulta em idades muito distintas.

A alma

Sua alma é um campo de consciência que se identifica com seu campo de energia. É quem você é. Você não tem alma, você é uma alma. Sua alma e a alma de qualquer outro ser humano é um aspecto individualizado do campo universal de energia, a partir do qual tudo em nosso mundo físico surge. Porque a alma se identifica com seu campo de energia e não com seu corpo físico, sua alma vive na realidade energética quadridimensional.

A alma sabe que não pode morrer e consequentemente, não tem medos. A alma não tem medos, e justamente por isso também não tem necessidades. A razão pela qual não tem necessidades é que, no nível energético de sua existência, cria o que deseja através de seus pensamentos. A Alma é autossustentável, ela se basta a si mesma, porque vem de Deus (ou o nome que fizer mais sentido para você), é a nossa parte divina.

Por conta de nossas almas serem aspectos individualizados do campo de energia universal, elas sentem uma sensação de conexão com todas as outras almas. Consequentemente, no nível da alma, vivemos em unidade. Não há separação. Quando você vive em um mundo de unicidade, dar é o mesmo que receber: quando você dá aos outros, você dá para si mesmo.

Mesmo que a alma não tenha necessidades do jeito que o ego tem necessidades, ela tem desejos, a alma manifesta seus anseios. Os principais desejos da alma são autoexpressão, conexão e contribuição. A alma encarna em consciência material tridimensional para cumprir esses desejos. O propósito dos desejos da alma é recriar sua visão energética dentro da realidade física.  Quando somos capazes de fazer isso, começamos a alcançar o aprendizado para evolução.

Sabemos que os desejos da alma estão sendo satisfeitos quando sentimos que vida tem significado; quando nós nos conectamos com os outros em um nível profundo, e quando podemos usar nossos dons e talentos para contribuir e fazer a diferença no mundo. As únicas coisas que impedem a alma de satisfazer seus desejos são os medos do ego em atender suas necessidades de deficiência: nossa sobrevivência e a necessidade de segurança. Os temores do ego em satisfazer nossas necessidades de deficiência o mantêm firmemente ligado à nossa identidade física, social e cultural, assim bloqueando o aprendizado para a evolução.

A alma encarna em um embrião humano, desejando estar presente em realidade material. A vontade da alma de estar presente na realidade material é a fonte da vontade do ego de sobreviver. Com base nessa perspectiva, podemos redefinir a evolução como um processo de Aprendizado de como viver na mente da alma (realidade energética) enquanto está em um corpo físico em um mundo material. Nós alcançamos o aprendizado para evolução na medida em que somos capazes de superar a ilusão da realidade material criado por nossos sentidos e abraçar os princípios que governam o mundo energético da alma.

As propriedades fundamentais da mente da alma ou realidade energética são atemporalidade, onipresença e energia. Porque a alma não tem consciência do tempo ou espaço para dar a ilusão de separação, a alma experimenta um senso de unidade e conectividade. Porque a alma não tem consciência do tempo e da matéria para dar a ilusão de morte e decadência, experimentar um estado de ser (consciência do momento presente). Porque a alma não tem consciência do espaço e da matéria para dar a ilusão de forma e massa, a alma experimenta mudanças nas vibrações energéticas (emoções). Juntos, tomados como um todo, todos esses conceitos se alinham com a mecânica quântica interpretação da realidade, que é explicada pela teoria da fisica quântica.

Durante os primeiros três estágios de desenvolvimento, conforme as necessidades do ego maior proeminência, os desejos da alma são empurrados mais e mais para dentro fundo. Se as motivações do ego são fortes e profundamente incorporadas por causa das dificuldades que teve para atender às necessidades de segurança As motivações do ego podem permanecer dominantes pelo resto de sua vida.

Acessando a alma

O quarto estágio do desenvolvimento – o estágio de individuação – é o estágio que você deve dominar para reativar sua consciência da alma no 5º, 6º e 7º estágios de desenvolvimento. O objetivo no estágio individualizante de desenvolvimento é encontrar liberdade e autonomia – para deixar de lado suas dependências sociais e culturais – para que você possa se tornar responsável e responsável por todos os aspectos de sua vida.

O ego não é quem você é; é quem você pensa que é. É a máscara que você desgaste para obter suas necessidades atendidas no quadro físico, social e cultural de sua existência material. O ego representa seu senso de identidade em relação para o contexto físico, social e cultural em que você vive. Você deve remover sua máscara do ego para encontrar o seu eu da alma.

Ativando a alma: autoexpressando

Os últimos três estágios do desenvolvimento psicológico representam várias etapas de ativação da alma. Se você tem tido relativamente sucesso em dominar o estágio individualizante de desenvolvimento, você começará a sentir a influência da autoatualização estágio de desenvolvimento em seus primeiros 40 anos. Seu desafio agora é abraçar totalmente o caráter e o propósito da sua alma, acessando o seu inato presentes e talentos e, assim, dar significado a sua vida.

Se você não conseguiu dominar suas necessidades de sobrevivência, os medos que você desenvolveu sobre ser capaz de exercer controle sobre o seu ambiente dificultará domine o desejo de autoexpressão da sua alma.

Ativando a alma: conectando

O próximo estágio da ativação da alma – o estágio integrador do desenvolvimento, que geralmente ocorre nos anos 50 – envolve a conexão com outras pessoas relacionamentos amorosos incondicionais para que você possa usar seus dons e talentos para fazer a diferença no mundo. Seu desafio agora é desenvolver o seu social, habilidades de inteligência e empatia para que você possa se conectar e colaborar com os outros e assim usar seus dons e talentos para fazer a diferença na vida das pessoas.

Se você não conseguiu dominar as necessidades de segurança do seu ego, os medos que você desenvolveu sobre formar relacionamentos dificultará o domínio do desejo de sua alma conexão.

Ativando a alma: contribuindo

O último estágio da ativação da alma – o estágio de serviço do desenvolvimento, que geralmente ocorre em seus 60 anos – envolve viver uma vida de serviço sem auto focado em gerações futuras e o bem da humanidade. Tendo aprendido como se conectar, o que você está agora encarregado de fazer é fazer uma contribuição para o comum Boa. Seu desafio agora é desenvolver suas habilidades de compaixão – abraçar os aspectos mais profundos da inteligência e sabedoria da sua alma para ajudar aqueles que estão sofrendo, desfavorecidos ou estão menos bem do que você.

Se você não conseguiu dominar as necessidades de segurança do seu ego, os medos que você desenvolveu sobre ser capaz de se tornar um membro valioso de uma comunidade irá torná-lo difícil dominar o desejo de sua alma de fazer uma contribuição.

Fonte: https://www.jrmcoaching.com.br/blog/jornada-da-alma-ego-e-alma/

CONTEÚDO VIP
Coloque o seu email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!
 
Enviar
100% livre de SPAM.

Comentários

comentários

BAIXAR O PDF
close-link
CONTEÚDO VIP
Coloque o seu email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!
 
Enviar
100% livre de SPAM.
Close