A Pior Prisão é a da Mente

A Pior Prisão é a da Mente

Estar preso pode estar tanto relacionado à barreiras físicas, como grades e correntes, como à barreiras mentais. No primeiro caso, o metal, por mais forte que seja, pode ser rompido por alguém. Entretanto, quando se trata da mente, apenas o próprio indivíduo tem o poder de se libertar. Por essa razão, afirma-se que a pior prisão é a da mente, porque quando uma pessoa dá espaço para ideias limitantes, ela se torna escrava delas e, com isso, deixa escapar grandes oportunidades de se desenvolver e ser feliz.

A Pior Prisão é a da Mente – Liberte-se e Encontre o Caminho da Felicidade

Quando uma pessoa alimenta a crença de que não é capaz de realizar algo, se torna prisioneira dessa ideia, deixando passar uma série de oportunidades porque, se acredita que não irá conseguir, é óbvio que não irá se sentir motivada a tentar. Assim, a inércia faz com que a frustração se torne um sentimento constante na vida de quem se permite aprisionar por pensamentos limitantes.

Em grande parte dos casos, a sensação de incapacidade não tem embasamento na realidade, pois não houve sequer uma tentativa. E, quando há, é importante deixar claro que um fracasso inicial não precisa determinar toda uma trajetória. Para se certificar disso, basta procurar conhecer a história de pessoas de grande sucesso, todas elas precisaram enfrentar obstáculos e superar desafios para chegar onde estão hoje. Afinal, levar tombos faz parte do processo de aprender a andar.

A boa notícia é que sempre é tempo de se libertar e encontrar o caminho do desenvolvimento e da felicidade. Se você, por exemplo, sonha em realizar algo, mas não o faz por acreditar que é incapaz, saiba que está em suas mãos abrir a sua mente e ressignificar todas as crenças bloqueadoras que carregou até aqui. A partir do momento em que se olhar no espelho e enxergar ali o ser humano fantástico que você é, a sua vida começará a se transformar.

5 Passos Para Se Libertar de Ideias Limitantes e Se Desenvolver

Se você se deu conta de que está permitindo que ideias limitantes impeçam o seu desenvolvimento, saiba que já deu um importante passo rumo à libertação da sua mente. Agora, é preciso seguir algumas etapas que te ajudarão a dar um novo significado a esses pensamentos, fazendo com que deixem de bloquear suas ações e se tornem motivação para se superar e ir além.

1 – Identifique Suas Crenças Limitantes

As crenças são ideias que os seres humanos têm a respeito de si mesmos e o mundo ao seu redor, que são vistas por cada um como verdades absolutas. São pensamentos emocionais, psicológicos e, muitas vezes, irracionais, formados através de experiências e interações com o mundo. O que é considerado certo e errado, possível ou impossível são exemplos de crenças. E, para ressignificá-las é necessário, em primeiro lugar, reconhecê-las, para que sua origem seja identificada e a transformação possa acontecer.

Alguns exemplos comuns de crenças incluem:

  • Eu não sou importante;
  • Eu não sou inteligente o suficiente;
  • Eu não mereço;
  • Eu sou muito jovem, as pessoas não me levam a sério;
  • Eu sou muito velho, é tarde demais para começar.

Essa é uma pequena lista de crenças que uma pessoa pode carregar em sua mente. Pegue papel e caneta e anote as suas, pois, ao se tornar consciente da existência delas, começará a se questionar mais antes de tomar algo para si como verdade absoluta.

2 – Refute as Suas Crenças

Com a lista de crenças em mãos, reflita a respeito de cada uma delas e escreva na frente fatos que comprovem que não são verdadeiras. É interessante focar em uma por vez, para que tenha tempo para pensar com mais atenção, assim, poderá trabalhá-las dentro de si por ordem de prioridade. Se achar necessário, passe o dia observando a si e aos outros para concluir a sua reflexão.

3 – Pense nos Efeitos Dessas Crenças em Sua Vida

Cada crença que carrega faz com que tome ou deixe de tomar determinadas atitudes. Então, pense nos efeitos que suas ideias limitantes causaram em sua vida, considerando coisas que deixou de fazer por acreditar que elas eram reais e as frustrações que experimentou por conta disso.

Se tornar consciente em relação às oportunidades que deixou passar por causa de pensamentos ruins fará com que o seu processo de mudança aconteça com mais rapidez. Contudo, é importante ter sempre em mente que o passado não pode mais ser alterado e é preciso considerar apenas o que pode ser feito daqui para frente.

4 – Encontre a Origem das Crenças

A expressão cortar o mal pela raiz é bastante verdadeira, pois uma transformação realmente acontece quando se busca a origem do problema. Dessa forma, é necessário mergulhar em suas memórias para entender o que fez com que essas ideias limitantes se formassem na sua mente.

Para isso, feche os olhos, concentre-se nesse assunto e, sempre que se lembrar de uma situação que tenha relação com a crença em questão, reviva-a em detalhes, incluindo como se sentiu e as consequências. Faça anotações, pois esses registros irão te ajudar a organizar os pensamentos e entender melhor as origens deles.

5 – Dê um Novo Significado Para as Crenças

Uma crença é formada através da forma com a qual um indivíduo interpreta uma situação. Sendo assim, ao identificar no passo anterior o que te levou a pensar de determinada maneira, terá a oportunidade de dar um novo significado ao pensamento em questão. Imagine que carrega a crença de que ninguém te leva a sério por ser jovem demais. Para dar um novo significado a ela é preciso seguir o passo anterior e identificar as razões que te levaram a pensar assim, depois, basta que encontre novas formas de interpretar isso.

O fato de alguém comentar que é jovem demais em um ambiente profissional pode deixar de ser um fator de descrédito para se tornar um elogio por ter tanta qualificação mesmo com pouca idade, por exemplo. Amplie os seus horizontes e se permita interpretar cada pensamento de uma nova e positiva maneira. Assim, estará libertando a sua mente e permitindo que ela se desenvolva cada vez mais.

Jamais permita que ideias limitantes te impeçam de agir. Portanto, escolha de maneira consciente a interpretação que dará para cada situação e, assim, torne-se autor da sua própria história.

Fonte: https://www.jrmcoaching.com.br/blog/a-pior-prisao-e-a-da-mente/

Psicologia Financeira – Um Caminho Para Seu Controle

Psicologia Financeira – Um Caminho Para Seu Controle

O dinheiro, por si só, não é capaz de trazer felicidade, porém o uso sem controle do mesmo pode causar o efeito contrário. Afinal, um indivíduo que está com muitas dívidas acumuladas certamente terá a sua tranquilidade prejudicada, pois estará sempre pensando em seus credores e em como fará para pagá-los. Um caminho bastante interessante para evitar esse tipo de problema é a psicologia financeira, que tem como objetivo ajudar as pessoas a construírem uma relação mais saudável e positiva com o dinheiro.

O Que é a Psicologia Financeira?

A psicologia é uma ciência focada no comportamento dos seres humanos e na forma com a qual eles agem em relação ao mundo ao seu redor. Pode ser voltada para a vida, de uma maneira geral, ou tratar de temas específicos, como é o caso da psicologia financeira. Afinal, as nossas escolhas, incluindo as relacionadas ao dinheiro, têm uma forte ligação com o nosso estado emocional.

Como bem disse o grande investidor norte americano Warren Buffet, se você não pode controlar as suas emoções, também não conseguirá controlar o seu próprio dinheiro. Nesse sentido, um indivíduo que se deixa levar pelas emoções e age de maneira impulsiva, certamente irá realizar gastos desnecessários, o que pode vir a prejudicar o seu orçamento e chegar, até mesmo, a comprometer o seu patrimônio.

O objetivo da psicologia financeira, mais do que apenas educar, é tratar a raiz do problema que muitas pessoas têm em relação ao dinheiro. Assim, elas poderão compreender melhor as suas emoções e descobrir a origem de crenças que carregam sobre o assunto, a fim de solucionar todas essas questões internas e passar a fazer escolhas mais seguras e equilibradas.

A Influência das Crenças na Relação Com o Dinheiro

Um dos principais motivos que leva as pessoas a terem problemas para lidar com suas finanças são as suas crenças. Dessa forma, alguém que cresceu ouvindo de seus familiares que ter ambições e desejar ter mais dinheiro era ruim, irá associá-lo a coisas negativas. Outros tipos de crenças e costumes incluem: investimentos são para ricos, quanto mais parcelada uma compra for melhor será, usar o cartão de crédito de forma desenfreada, não ter o hábito de registrar gastos e daí por diante.

Um bom profissional especializado em psicologia financeira tem todas as condições para auxiliar essas pessoas a ressignificarem as suas crenças limitantes e a construírem uma nova relação com o dinheiro, com base em informações reais e em técnicas verdadeiramente eficazes. Trata-se de um processo em que o indivíduo deixará de olhar para a mesma direção e terá uma visão mais ampla a respeito dos seus aspectos financeiros.

Dicas Para Construir uma Relação Positiva Com o Dinheiro

Por mais que o acompanhamento de um profissional seja importante, existem algumas medidas que você pode começar a adotar sozinho para que passe a lidar com o dinheiro de forma cada vez mais positiva. Coloque as dicas a seguir em prática e veja como essa relação irá se transformar.

1 – Analise a Sua Situação Financeira Atual

A primeira atitude a ser tomada é fazer uma análise minuciosa sobre a sua situação financeira atual. Não tenha medo de dar esse passo, pois ele será o início de uma transformação, que pode ser desafiadora, mas irá te proporcionar uma vida mais tranquila. Saiba exatamente quanto ganha e quanto gasta mensalmente, pois essas informações serão fundamentais para os passos seguintes.

2 – Registre Todos os Valores

Agora é hora de eleger um meio para que registre todas as suas entradas e saídas de dinheiro, como se fosse uma empresa. Pode ser um aplicativo, uma planilha ou uma agenda de papel, se achar mais prático. O importante é que seja algo que tenha facilidade para usar, pois isso irá se tornar parte da sua rotina. Poder visualizar todos os seus gastos irá permitir que diferencie o que é necessário do que pode ser eliminado.

3 – Elimine os Gastos Desnecessários

A etapa seguinte envolve verificar quais gastos que tem atualmente e que pode eliminar, como anuidades de cartões de crédito que não usa, taxas que o banco cobra e você não sabe o motivo, a assinatura de uma revista que mal lê, enfim, faça uma verdadeira faxina e verá quanto dinheiro conseguirá salvar cortando custos pequenos e que pareciam inofensivos.

4 – Leve a Sério Sua Relação Com o Dinheiro

É fundamental que você esteja realmente disposto a mudar e leve a sério essa transformação. Afinal, de nada adianta seguir todos os passos por uma ou duas semanas e, logo depois, voltar para a estaca zero. Para ajudar nisso, é importante que tenha um objetivo maior, algo que te motive a continuar firme na mudança de comportamento para que possa realizar, como a compra de um bem, por exemplo.

5 – Pense Com a Razão Antes de Comprar

Muitas pessoas dizem que fazer compras é relaxante e vão ao shopping quando precisam se acalmar. Saiba que esse é um comportamento que deve ser completamente evitado, afinal a compra é um ato que deve acontecer quando se tem uma necessidade, por isso a razão deve vir sempre em primeiro lugar. Acumular objetos em casa que não terão utilidade não é nada saudável, sem contar no risco de se endividar em uma dessas ocasiões.

6 – Utilize as Facilidades Que Seu Banco Oferece

Hoje em dia, os bancos oferecem aos seus clientes inúmeras facilidades, como aplicativos que permitem realizar transações em questão de segundos, utilizando o celular. É interessante utilizar essa praticidade para se organizar e manter os seus pagamentos em dia. Apenas tome o cuidado de seguir todas as recomendações de segurança para que a sua conta fique resguardada.

7 – Pense no Futuro ao Tomar Decisões Financeiras

Por fim, procure sempre considerar o futuro antes de tomar decisões financeiras. É claro que é importante viver o presente e desfrutar de experiências que irão, de alguma forma, agregar em sua vida. Entretanto, é fundamental que haja um equilíbrio, para que construa um amanhã positivo para você e sua família.

Se deseja aliar a esse processo de transformação metodologias que te ajudem a, também, traçar metas para alcançar os seus objetivos, procure por um Coach Financeiro. Esse profissional irá auxiliar você a descobrir todo o potencial que possui para lidar com o seu dinheiro com sabedoria e, assim, conquistar tudo o que deseja.

 

Fonte: https://www.jrmcoaching.com.br/blog/psicologia-financeira-um-caminho-para-seu-controle/

Não Fique Estagnado com Pensamentos Obsessivos

Não Fique Estagnado com Pensamentos Obsessivos

O sábio ditado “cabeça vazia é oficina do diabo” explica aqueles momentos em que uma pessoa está estagnada em alguma fase da vida, não consegue evoluir e começa a pensar besteiras. Esse estado de inércia pode ser a porta de entrada para a chegada da obsessividade, que é uma ideia fixa, uma preocupação contínua e uma importunação persistente. Os pensamentos obsessivos tendem a distorcer a realidade, intoxicar sentimentos e sabotar a saúde, a felicidade e o bem-estar.

A obsessividade é um reflexo de um transtorno de ansiedade, que geralmente faz com que a pessoa foque exageradamente em um tema, assunto ou pessoa. Também reforça os medos e faz com o indivíduo pense o tempo todo que vai acontecer algo de ruim com ele ou com as pessoas que ama. Em decorrência disso, uma pessoa com esse perfil vive em constante alerta e raramente tem momentos de paz.

Para saber mais sobre esse tipo de comportamento é só continuar lendo o texto.

A obsessividade na prática

Agora que você já sabe o que é o pensamento obsessivo é mais fácil encontrar onde eles se manifestam no dia a dia. De qualquer forma, selecionei alguns exemplos. Confira:

Um profissional constrói uma ideia de que ele é sensacional e se esforça muito para entregar um trabalho com qualidade. E ele consegue! Porém, isso faz com que ele fique obstinado em ser promovido. Para alcançar seu objetivo, ele irá se concentrar somente nisso e fará de tudo para conseguir, mesmo que isso signifique ter que passar por cima de outros colegas.

Outro exemplo só que agora na vida pessoal. Imagine uma pessoa que tem fixação por outra e acaba se apaixonando. Porém, esse amor não é correspondido. O “não” pode machucar o orgulho do obcecado e guiar todas suas ações futuras em prol da tentativa de conquista do ser amado. Ás vezes essas tentativas podem ser inocentes, mas há casos em que o obstinado usa da violência para que a situação aconteça como ele quer que aconteça.

Se você já passou por situações obsessivas ou tem conhecimento de alguma é só escrever nos comentários!

Sentimentos comuns de um perfil obcecado

Um indivíduo com os pensamentos obsessivos tem algumas emoções bem específicas e que podem ser identificadas com o convívio do dia a dia. Veja quais são as principais:

  • Medo: sensação constante de uma iminente possibilidade de morte por doenças e fatalidades da própria pessoa ou daquelas que ama.
  • Insegurança: sensação de perigo constante. Um indivíduo com esse perfil tem ideias de que incêndios ou acidentes ou de que algum tipo de violência vai ocorrer com familiares ou com ele mesmo.
  • Negatividade: ideias frequentes de que é uma pessoa azarada, pois tudo de ruim acontece e sempre acontecerá com ela.
  • Imaginação fértil: visualização recorrente de imagens de cunho sexual ou com extrema violência e agressividade.
  • Crenças: obsessões religiosas que fazem a pessoa acreditar que “o fim está próximo” e que o “mundo vai acabar”. Ou ainda que alguns dos seus comportamentos sejam pecaminosos e farão com que ela vá direto para o inferno.
  • Perfeccionismo: foco exagerado na organização de tudo, que pode compreender desde objetos até as pessoas. Além disso, o obsessivo também tem sentimento frequente de que as coisas ou os seres humanos não estão nos lugares certos.

Já conviveu com uma pessoa que exibe algumas dessas características? Ou ainda, concluiu que é você que tem esses traços na personalidade? Sem pânico! Continue lendo o texto.

Como lidar com pensamentos obsessivos

Se você conhece alguém ou se identificou com algum dos comportamentos que citei acima, pode ficar tranquilo, pois agora vou escrever alguns modos de lidar com a perspectiva obsessiva.

Como sempre digo o cérebro não sabe a diferença entre o que é real ou imaginário, portanto,  cada um que deve validar o que é verdade e o que é mentira. É fato que ficar refletindo sobre algum ruim não é o motivo para que isso aconteça. Na maioria das vezes, esse sofrimento por antecipação só irá causar a ansiedade para situações que podem não se materializar. Sabendo disso, por que ficar pensando nisso? Por que alimentar pensamentos obsessivos?

Para evitar que os pensamentos negativos se tornem recorrentes é importante compreender se isso é fruto de uma ansiedade frequente ou se é apenas uma questão pontual. A observação dos acontecimentos apenas pela ótica ruim se torna um hábito nocivo e que somente irá prejudicar sua vida.  Há maneiras de achar uma saída saudável para você que acha que convive constantemente com emoções e sensações destrutivas, que tiram a sua paz e roubam sua tranquilidade e inteligência emocional. O primeiro passo é reler aqueles exemplos que citei acima e verificar se você sofre com estes tipos de dramas. Caso se identifique, não tenha vergonha de admitir para si mesmo que precisa de ajuda. Basta buscar por orientação especializada para se livrar destes pensamentos obsessivos que lhe fazem sofrer, ter comportamentos negativos e que limitam sua vida em vários sentidos. O tratamento é essencial!

Como o coaching pode contribuir

A formação Practitioner em Programação Neurolinguística (PNL) do Instituto Brasileiro de Coaching (IBC) usa de técnicas e ferramentas baseadas no estudo da PNL visando sua obtenção de metas profissionais e pessoais.

A programação neurolinguística é uma área de estudo criada pelos americanos Richard Bandler e John Grinder nos anos 70. De acordo com a pesquisa deles, há uma forte aliança entre os processos neurológicos, a linguagem e os padrões comportamentais adquiridos com ao longo da vida. Esses três pilares podem ser moldados segundo os objetivos que você deseja alcançar. Com dedicação e autoconhecimento, você pode desenvolver sua mente, sua linguagem e seus comportamentos de modo que eles sejam resultado do que você quer.

Esse curso é muito importante para quem foi diagnosticado com obsessividade por um profissional da psicologia. Acreditar que seus pensamentos, seus modos de expressão e suas atitudes são a chave para mudar esse modo obsessivo de viver é muito importante. É possível evolui diariamente e se tornar uma pessoa melhor para si mesmo e para quem está em volta. É claro que a formação não exime você de seguir as orientações do psicólogo.

Já se você é um profissional de Recursos Humanos (RH) ou da gestão e deseja compreender melhor os colaboradores e identificar perfis que precisam de atendimento profissional, o IBC tem a formação em Consultor em Análise Comportamental. O curso ensina a maneira mais moderna de fazer um mapeamento de perfil para encontrar as tendências comportamentais que estão em cada um de nós. Adquirir um profundo conhecimento sobre os colaboradores permite fazer uma melhor gestão de pessoas e de benefícios, já que será possível indicar vantagens e programas de desenvolvimentos adequados para cada perfil. Ao longo do tempo, esse curso trará benefícios como a eficácia e a assertividade.

Hora de ir para o próximo passo

Atitudes como compreender o que nos faz seguir pela contramão e focar em alimentar sentimentos e emoções positivas são modos que podem ajudar a eliminar as obsessões e, consequentemente, os maus comportamentos provenientes delas.

Buscar pela orientação de um psicólogo e pelos cursos de coaching são ações que combinadas podem trazer benefícios reais para o dia a dia profissional e pessoal. Tente esse caminho para viver um cotidiano mais leve e com mais pensamento positivos. Você irá ver que, além do seu bem-estar, a mudança de comportamento pode ocasionar uma convivência melhor e mais saudável com as pessoas a sua volta.

Que tal compartilhar esse artigo com os seus amigos?

Fonte: http://www.jrmcoaching.com.br/blog/pensamentos-obsessivos/

BAIXAR O PDF
close-link