Já ouviu falar em Passividade? Conheça os 7 pecados da passividade

Já ouviu falar em Passividade? Conheça os 7 pecados da passividade

passividade é uma característica daqueles que não agem e apenas deixam a vida lhes levar, assim como na famosa canção de Zeca Pagodinho. E essa é uma escolha que qualquer pessoa tem o direito de fazer, contudo, é preciso estar ciente de que, assim, se está abrindo mão do papel de autor da própria história. Se você sente que está levando a vida de um modo passivo demais e isso está te prejudicando, te convido a continuar esta leitura para que conheça as consequências desse comportamento e o repense.

Os 7 pecados da passividade e como eles podem prejudicar sua vida

As pessoas passivas, do tipo que concordam com tudo sempre, parecem inofensivas, mas a realidade é que elas são capazes de causar grandes prejuízos e a principal vítima disso são elas mesmas. Quando aceitam as vontades e as decisões de terceiros sem questionar, abrem mão de seguir suas próprias convicções. Veja, a seguir, os sete pecados desse comportamento.

1 – Falta de atitude frente aos problemas

Quando um problema surge, o melhor que se pode fazer é manter a serenidade, afinal, é preciso estar com a mente tranquila para conseguir encontrar soluções que sejam verdadeiramente efetivas. As pessoas passivas costumam fazer exatamente o contrário, elas se desesperam e ficam inertes, esperando que alguém chegue e resolva aquela questão. Depender dos outros para qualquer coisa que seja não é saudável, pois não há como garantir que esse apoio sempre estará disponível.

2 – Aceitar tudo apenas para agradar

Geralmente, as pessoas passivas são vistas pelos demais como fáceis de lidar, porque com elas não é preciso argumentar, já que aceitam tudo sempre. Porém, o que nem todos sabem é que por trás dessa bondade e simpatia existe uma grande carência, que é o que gera essa atitude de aceitar tudo sem questionar. A verdade é que as pessoas que realmente gostam de você, o farão independente de qualquer coisa. Inclusive, ao mostrar quem realmente é, as suas relações irão se fortalecer ainda mais, porque serão totalmente verdadeiras.

3 – Medo de sair da zona de conforto

Como estão acostumadas a serem coadjuvantes das situações, as pessoas passivas se assustam quando precisam estar no centro, principalmente se a ocasião envolver algo que elas não conheçam. É natural que qualquer indivíduo sinta aquele frio na barriga ao fazer algo pela primeira vez, contudo, é essencial que o medo e a insegurança sejam vencidos, porque existem coisas que ninguém pode fazer no nosso lugar.

4 – Dependência emocional

É comum que a dependência funcional que faz parte do comportamento dos indivíduos passivos acabe se tornando também emocional. Assim, uma pessoa que precisa de um terceiro para resolver questões práticas de sua vida, como ir ao médico ou fazer compras, acaba se tornando emocionalmente dependente dele. E esse tipo de relação não é nada saudável, já que a ideia de um relacionamento, seja ele familiar, amoroso ou de amizade, é a união por escolha e não por necessidade.VOCÊ É FELIZ?

5 – Terceirização das próprias responsabilidades

Como abrem mão do papel de ação em suas vidas, as pessoas passivas terceirizam suas responsabilidades. Dessa maneira, quando estão tristes e insatisfeitas, encontram logo um culpado, colocando-se como incapazes de mudarem aquela realidade. E a verdade é que cada um deve ser responsável pela própria felicidade, porque é assim que um indivíduo se torna consciente sobre o fantástico poder de ação e realização que possui.

6 – Não fazer planos

O fato de estarem sempre esperando que a atitude parta de outra pessoa, faz com que os indivíduos passivos não tenham planos e nem pensem de modo estratégico em seus objetivos. Com isso, desperdiçam toda a energia e potencial que possuem, quando poderiam estar trabalhando para construir a realidade que desejam viver. Ter planos é muito importante, porque é através deles que a motivação é construída. A partir do momento em que você sabe exatamente o motivo pelo qual está se dedicando a um projeto, por exemplo, é cada vez mais impulsionado a dar o seu melhor.

7 – Fragilidade excessiva

Toda a dependência funcional e emocional que faz parte da vida daqueles que agem com passividade, os torna seres extremamente frágeis. Por não terem experiência na linha de frente da vida, enfrentando problemas, se desesperam quando algo acontece, principalmente se não houver alguém para os socorrer. Algumas das reações mais comuns são: choro, desespero, perda do controle, podendo chegar até a desmaios em alguns casos.

Como vencer a passividade e assumir o controle da própria vida

A primeira coisa que uma pessoa que passou a vida agindo com passividade deve fazer é buscar se conhecer e se tornar consciente em relação ao poder que possui dentro de si. E esse é um processo que precisa ser contínuo, afinal, estamos sempre aprendendo coisas novas e, por isso, em constante evolução. O passo seguinte é usar as informações obtidas através do autoconhecimento para fazer escolhas e agir de acordo com os próprios valores e essência.

Jamais aceite alguma situação que não lhe agrada apenas por medo de ser rejeitado. Lembre-se que aqueles que gostarem de você o farão por quem é de verdade e não por quem aparenta ser. Todos os seres humanos possuem qualidades fantásticas e outras características nem tão boas assim e, gostar de alguém verdadeiramente, envolve abraçar esse indivíduo em sua plenitude.

Por fim, mais uma atitude necessária para vencer a passividade envolve assumir as responsabilidades sobre como se sente. Ninguém mais é responsável pela sua felicidade ou infelicidade além de você. Tenha sempre em mente que as pessoas apenas fazem conosco aquilo que permitimos.

Cometeu um erro? Um problema inesperado surgiu? Encare a situação com serenidade, peça ajuda se achar que precisa, mas jamais abandone a cabine de controle. Mesmo que as coisas pareçam assustadoras, permaneça firme, analise as possibilidades que tem à frente e escolha aquela que julgar a melhor. Caso venha a falhar, entenda qual foi o erro, aprenda com ele e siga adiante, sempre com a cabeça erguida.

Witness Lee, um grande pregador chinês, sabiamente disse que paciência não é o mesmo que passividade, e sim vigor sem ansiedade. Portanto, tome as atitudes que forem necessárias, mas sempre com serenidade e sabendo esperar os resultados sem afobação. Equilíbrio sempre!

Fonte: https://www.jrmcoaching.com.br/blog/ja-ouviu-falar-passividade-conheca-7-pecados-passividade/

BAIXAR O PDF
close-link