As Sete Leis da Aprendizagem

As Sete Leis da Aprendizagem

Dentre os pensamentos eptais as Sete Leis da Aprendizagem têm uma importância gigantesca. Muitos são os estudiosos do processo de ensino e aprendizagem. Desde Piaget que os pedagogos, psicólogos e demais pesquisadores se debruçam sobre as perguntas “Como aprendemos?” e “Qual o melhor método para ensinarmos algo a alguém?”

Com certeza não há uma resposta única para essas questões, ao contrário, há diversas teses, livros, artigos, pesquisas que dão respostas parcial ou totalmente diferentes umas das outras. Alguns são acusados de valorizarem demais a cognição, outros de valorizarem demasiadamente os contextos de aprendizagem…

No caso das Sete Leis da Aprendizagem um grupo de pesquisadores – Hyrum W. Smith, Richard L. Godfrey e Gerreld L. Pulsipher – vinculados ao Instituto Franklin Covey, depois de assistir a diversos programas de treinamento empresarial, fizeram um diagnóstico do que havia de equivocado naqueles programas e propuseram uma forma completamente nova de treinar pessoas.

Dessa experiência nasceram às técnicas de treinamento utilizadas no Instituto e outros lugares que também passaram a reconhecê-las como adequadas, nasceu aí o processo que eles chamaram de “Aprendizagem Relacional”.

Desvendando As Sete Leis da Aprendizagem

Eu, como Master Coach Sênior tenho dito em todas as oportunidades que o papel do Coaching é aproximar as pessoas delas mesmas e dos demais. Ainda não tinha me dado conta de como essa minha filosofia pessoal de vida é congruente com os valores que as Sete Leis da Aprendizagem pregam, e os quais passo a apresentar nesse capítulo.

Tudo parte da compreensão que na aprendizagem existem duas entidades envolvidas, mais um objeto. Essas entidades podem ser você e outra pessoa, ou seu self 1 e self 2 (ou seja, você com você mesmo) e o objeto da aprendizagem é sobre o que se ensina/aprende. Nesse ponto a aprendizagem não pode ser mecânica, pois ela não acontece automatizada como uma bebida que exposta ao frio logo se congela. O processo de aprendizagem por esse prisma precisa de um envolvimento que seja mais que conteudista, que seja também afetivo, emocional… humano!

Emocional X Relacional

Os pesquisadores atribuíram o adjetivo emocional por perceber que para aprendermos alguma coisa temos que conseguir nos relacionar com essa “coisa”. Pessoas que, por suas crenças e pela cultura, criaram aversão a certo tipo de conhecimento, jamais conseguiram adquiri-lo porque se recusam a se relacionar com ele. Logo, sem relacionamento não há aprendizagem, e, quando esse relacionamento se torna também afetivo essa aprendizagem se dá com mais facilidade – Ensinar e aprender são uma questão de estabelecer vínculos.

O relacional também está ligado a como a aprendizagem se dá pelas relações que conseguimos fazer entre uma informação nova e outra que já conhecemos, entre uma prática nova e outra que já nos é conhecida. De fato, nosso cérebro é associativo e seu trabalho de absorção é todo feito através de paralelos. São as associações entre o elemento novo e o elemento dado, aquele que já estava armazenado na nossa memória, que nos permitem aumentar nossos conhecimentos.

O Processo de Aprendizagem

Talvez o peso de ensinar possa causar certo incômodo. Enquanto alguns veem com glamour outros querem se esquivar do peso de ensinar algo a alguém. Mas o fato é que, dada nossa forma social de viver, somos professores o tempo todo, de maneira mais ou menos formalizada estamos todo o dia envolvidos em processos de ensino e aprendizagem.

Os autores dizem que os líderes de empresas são “professores acidentais” e que as Sete Leis da Aprendizagem nos dão elementos para nos tornarmos “professores intencionais”. Eu digo que não há professores acidentais, o que há são processos de aprendizagem não formais, aqueles que acontecem quando passeamos com uma criança numa exposição, quando ela senta no colo de seu avô para ouvir uma história, ou quando entramos em um restaurante pela primeira vez e para não errarmos ficamos observando os que estão na frente.

De toda sorte, essas sete importantes leis que passo a apresentar agora são ferramentas que, se usadas em nossas práticas de ensino, nos tornam melhores professores, mesmo que não sejamos profissionais do ensino – lembre-se que a aprendizagem acontece a todo o momento, em todos os lugares, com todos os sujeitos.

As Sete Leis da Aprendizagem são divididas em dois grupos. As duas primeiras leis são chamadas leis da crença. Elas exigem que trabalhemos nosso nível quatro da Pirâmide do Processo Evolutivo – Crenças e Valores – revendo várias de nossas posições sobre o que acreditamos ser verdade no processo de aprendizagem, como por exemplo, que uns são mais capazes que outros.

As demais leis estão ligadas ao comportamento humano, de forma que todas elas enfatizam as relações. Como nossos comportamentos estão vinculados às nossas crenças, essas leis se conectam, se autorregulam, se harmonizam. Elas estão descritas no quadro a seguir e depois individualmente.

Fonte: https://www.jrmcoaching.com.br/blog/as-sete-leis-da-aprendizagem/

Definição de Coaching de Carreira

Definição de Coaching de Carreira

O coaching de carreira é um modelo do método que atua em todas as fases da carreira de um profissional. Ou seja, o coach (professor) contribui para que o coachee (aprendiz) atinja os seus objetivos com as técnicas mais adequadas para cada caso. Continue lendo este artigo para saber mais a respeito do processo!

O exercício ideal para cada fase e cada caso

Para quem está no começo, o método pode ajudar a escolher qual é a carreira ideal e como entrar com o pé direito no mercado de trabalho. Para quem já tem uma carreira consolidada, mas deseja mudar, o coaching pode estimular uma transação segura e benéfica. E para quem já está trabalhando há algum tempo e quer um cargo maior, o método ensina a focar em aprimoramento, tanto comportamental quanto técnico.

Não importa qual seja a jornada que você está prestar a seguir, o coaching está preparado e vai ter ajudar a exercitar o autoconhecimento e o autodesenvolvimento, essenciais para qualquer profissional que deseja evoluir diariamente. O método coopera fortemente para o aumento da motivação pessoal, o reposicionamento de profissionais com longos anos de mercado, a recolocação, atualização e em processos de mudança nas empresas.

Ao trabalhar com o progresso de habilidades profissionais, emoções, anseios, perspectivas e sonhos, o coaching traz efeitos positivos que podem ser vistos em curto, médio e longo prazo. De acordo com uma pesquisa feita pela consultoria Robert Half, em 2012, o coaching de carreira oferece impactos positivos para 88% dos profissionais brasileiros.

Esse dado é muito relevante, não é mesmo? Se tantas pessoas já aderiram ao método, por que ainda existem pessoas que não o fizeram? Você é uma dessas pessoas? Não se preocupe, pois é importante que você tome o tempo que for necessário para realizar uma decisão como essa. Afinal, ela vai mudar muito os rumos da sua vida profissional e pessoal, até mesmo equilibrando-as para que você consiga viver os dois períodos de forma saudável.

Para conseguir alcançar o sucesso com o coaching, o coachee elabora planos de ação firmes, baseados nas necessidades e metas estabelecidas com a ajuda do coachee. Só que, lugar de simplesmente realizar o trabalho por ele, o coach apoia na visualização dos objetivos e na motivação para realizar as ações que conduzirão aos resultados desejados para a carreira profissional.

Nesse meio, é essencial entender que cada caso é um caso. Portanto, não é possível estabelecer os mesmo processos para todas as pessoas. Cada uma deve chegar a objetivos diferentes, em tempos diferentes e com ferramentas diferentes. O que não muda é que, no final, você terá passado por fases de autoconhecimento, autodesenvolvimento e de autoconfiança.

O processo de coaching de carreira

O processo contribui com o desenvolvimento de uma pessoa de forma rápida, por meio da visualização dos pontos fortes, como também dos pontos que precisam ser desenvolvidos. Entenda mais:

  • Com a ajuda de técnicas especializadas, o coachee é capaz de encontrar quais são as características profissionais e pessoais que são destaques positivos e que merecem ser fortalecidas.
  • Também encontra pontos positivos que podem estar escondidos por medo ou outros motivos. A partir dessa descoberta, o coach trabalha qual é o melhor caminho para que estes cheguem à superfície e contribuam de forma vantajosa.
  • Para completar, o método ensina a buscar pelos pontos negativos que acabam influenciando o dia a dia. São características que impedem o progresso e o desenvolvimento tranquilo das habilidades que precisam de força.

Ainda é possível dizer que o caminho do autoconhecimento traz a inteligência emocional, fundamental para quem lida com situações adversas ou de pressão ao longo da carreira ou até mesmo na vida pessoal. O gerenciamento de sentimento é um passo importante para a maturidade.

Todo esse processo não é rápido, mas é efetivo, pois permite que o coachee rompa barreiras e crenças limitantes e desenvolva a autoconfiança. Assim o seu futuro profissional é permeado pelo “conhecer a si mesmo”, explorando de maneira assertiva seu potencial e atingindo resultados satisfatórios, tanto em sua carreira quanto pessoalmente.

Durante essa evolução, o coach também ajuda o coachee a escolher, entre várias, as melhores oportunidades de emprego que lhe serão ofertadas, fazendo o estudo detalhado dos valores reais do seu coachee e o que ele almeja para a sua vida profissional em curto, médio e longo prazo. Dessa forma, o coachee será auxiliado a não optar por ingressar em um emprego sem força de vontade/desânimo e que seja incongruente com suas metas e propósito de vida.

O coaching e o propósito de vida

Ao longo deste texto, você pôde perceber que fazer uma mudança de vida profunda como esta que o coaching proporciona não é algo fácil, mas também não é impossível. Por isso, após ler este texto, é preciso você dê o próximo passo e encontre o método do coaching que mais se adéqua às suas necessidades. Com isso, você já estará a frente de muitas pessoas no mercado de trabalho que buscam por progresso sem compreender direito a si mesmos.

Quero destacar que, sem dúvida, auxiliar na definição da missão de vida de um profissional é um dos principais e mais importantes benefícios que o coaching de carreira pode proporcionar. Digo isso, pois, ao entender que realmente dá sentido à sua existência e identificar as coisas que realmente fazem a pessoa mais feliz, o coachee tem mais condições de definir desejos profissionais e também pessoais.

Esse é um tema tão relevante, pois na nossa sociedade, o trabalho é uma das fontes de realização do ser humano e uma atividade que toma grande parte do seu tempo. É só pensar na quantidade de horas da sua semana você usa apenas com a sua vida profissional. Por isso, quanto mais sintonizados com o que fazemos todos os dias, mais nos sentiremos plenos e teremos possibilidades de conquistar resultados extraordinários em nossa carreira e vida como um todo. Invista em coaching e ouse ir além!

Comente abaixo se você tem alguma dúvida a respeito do método coaching. Aproveite para compartilhar este artigo com um amigo que está pensando em ser coachee. 

Até o próximo artigo!

Fonte: https://www.jrmcoaching.com.br/blog/definicao-de-coaching-de-carreira/

Conhecimento e Sabedoria – Qual a diferença?

Conhecimento e Sabedoria – Qual a diferença?

Você sabia que as palavras conhecimento e sabedoria têm significados diferentes? De acordo com o dicionário, a palavra sabedoria é um substantivo que quer dizer que uma pessoa tem a qualidade de sabedor, tem prudência, tem ciência e tem razão. Já o conhecimento é um substantivo que tem o efeito de conhecer. Se a pessoa tem conhecimento, ela tem noção, experiência e ideia. Ah, e a palavra também pode se referir a um relacionamento não íntimo entre pessoas.  

Saindo do dicionário e aplicando para a vida real, podemos dizer que o conhecimento é o conjunto de informações, experiências e aprendizados que adquirimos do mundo exterior. E a sabedoria está no modo como utilizamos estes conhecimentos, de forma prática, para tornar nossa vida mais equilibrada, coesa e prazerosa.

Imagine esses dois conceitos juntos! O conhecimento e a sabedoria formam uma dupla perfeita, quando caminham juntos de forma equilibrada. Porém, não se engane, muitos conhecedores podem não ter nenhuma sabedoria. Assim como os sábios podem não dispor de grandes conhecimentos.

Saiba que para ter sabedoria não basta ser expert em determinado assunto, recitar trechos de livros importantes ou saber as manchetes dos principais jornais do mundo. O sábio aparece na superfície nos momentos de dificuldade e dúvida, quando revela que conquistou respostas e aprendizados ao longo da vida capazes de o guiar pelos melhores caminhos.

O equilíbrio está em conhecer e saber aproveitar tudo que aprendemos ao longo de nossa vida, está nas reflexões que fazemos e na capacidade de transformar conhecimentos teóricos em práticas efetivas e positivas. Como você tem feito isso no seu cotidiano?

A sabedoria de conhecer a si mesmo

Para compreender a alma humana temos que primeiro aprender a entender a nossa própria essência. O ato de conhecer sentimentos, emoções, crenças, valores, medos, dramas, sonhos e possibilidades é uma das formas de criar a nossa percepção sobre o outro.

A forma como interagimos com este conhecimento interior e, como o replicamos, em nossas ações e comportamentos diários, diz muito sobre nós. Isso ocorre porque, quanto mais abrimos nossa mente e, nos permitimos refletir sobre quem somos, sobre o outro e o mundo à nossa volta, melhor podemos compreender os fatos e transformar verdadeiramente nossa realidade.

Este empoderamento nos torna capazes de realizações extraordinárias. Por isso, quanto mais nos conhecemos, mais nos curamos e potencializamos nossa sabedoria. E, quanto mais sábios nos tornarmos, mais preparados estaremos para lidar com os desafios e dificuldades que a vida nos apresentar.

Esta sabedoria é o que permite não “perdemos a cabeça” ou nos desesperamos quando algo acontece e não sabemos o que fazer. O sábio entende que ponderar é o melhor caminho para resolver qualquer questão. Em outras palavras, uma pessoa sábia possui uma visão sistêmica que lhe permite acessar conhecimentos e experiências e, a partir disso, encontrar as soluções que precisa.

Por isso, busque aprendizados que lhe tornem uma pessoa melhor, que aumentem a sua sabedoria e, mais que acumular erudição, procure ampliar sua visão crítica e a sua percepção em relação ao mundo e aos demais. Com o tempo você verá que, a sabedoria não é o ponto de chegada, mas sim o caminho para ir sempre um pouco mais além.

Como chegar ao autoconhecimento

Já logo aviso que você nunca saberá 100% sobre você mesmo. Explico: é sempre possível aprender mais sobre nós mesmos, pois isso faz parte de um processo constante de evolução. No coaching, você aprende a exercitar o autoconhecimento e o autodesenvolvimento no seu dia a dia sem grandes dificuldades.

Com o autoconhecimento você é capaz de entender quais são os seus pontos positivos e como os tornar ainda mais fortes. Também é possível encontrar quais são as virtudes que podem estar escondidas dentro de você mesmo. Além disso, você descobre quais são os seus pontos negativos e como os deixar menos sabotadores no seu dia a dia.

Tudo isso não é feito do dia a para a noite. Porém, quando você consegue se conhecer mais é como se a luz chegasse a sua vida. Outro ponto que você descobre é a necessidade constante de exercitar o autoconhecimento, afinal estamos mudando sempre, seja por fatores internos ou externos. Daí, você já está dando um passo a mais para o seu autodesenvolvimento, essencial tanto para o mundo pessoal quanto profissional.

A partir da prática desses dois itens, você consegue progredir em outros pontos como no controle de sentimentos com a inteligência emocional e na forma como lida com as situações, buscando pelo lado do aprendizado sempre.

Estude mais

Uma dica interessante para entender o poder do conhecimento e da sabedoria é o filme “Lucy”, de 2014 e que foi dirigido por Luc Besson e conta com Scarlett Johansson no elenco. O longa metragem é um ótimo exemplo da importância que o conhecimento tem para cada indivíduo da sociedade. A narrativa aborda a possibilidade do ser humano usar toda a capacidade do cérebro. Ao provar uma droga que não tem conhecimento, a personagem principal, Lucy, adquire esse desempenho. A história mostra como ela passa a ter mais controle sobre o próprio corpo, absorve conhecimento com mais rapidez e ainda progride em relação ao às suas habilidades físicas e emocionais.

Outra recomendação interessante é o documentário “Eu Maior” de 2013. O filme faz uma reflexão a respeito de questões contemporâneas da sociedade e autoconhecimento por meio de entrevistas com personagens reais de diferentes áreas de atuação. Veja o que atores, líderes espirituais, teóricos e muitas outras pessoas falam a respeito desses pontos tão presentes nas dúvidas humanas.

O próximo passo

Agora que você já sabe quais são as diferenças entre conhecimento e sabedoria, é hora de aplicar esses conceitos no seu dia a dia. Não é um passo simples, mas também não é um bicho de 7 cabeças. Busque por profissionais que possam te ajudar nessa caminhada e se esforce. Você vai ver que a dedicação pode elevar os seus padrões profissionais e pessoais em curto, médio e longo prazo.

Gostou do texto? Comente e compartilhe em suas redes sociais.

Até a próxima!

Fonte: https://www.jrmcoaching.com.br/blog/conhecimento-e-sabedoria-qual-a-diferenca/

CHA – Conhecimento, Habilidade e Atitude: Elementos Essenciais Para uma Carreira de Sucesso

CHA – Conhecimento, Habilidade e Atitude: Elementos Essenciais Para uma Carreira de Sucesso

O termo CHA – Conhecimento, Habilidade e Atitude foi desenvolvido por Scott B. Parry em seu livro “The Quest For Competencies” (a busca por competências, em português), publicado em 1996. Esses três elementos representam o tripé das competências de uma pessoa, algo que se manifesta através da sua forma de pensar, sentir e agir, e tem um grande impacto sobre o seu desempenho profissional. Continue acompanhando para saber mais como desenvolver essas competências para construir uma carreira de sucesso.

Entenda Melhor o Conceito de CHA – Conhecimento, Habilidade e Atitude e de Cada um dos Seus Elementos

Para que a aprendizagem ocorra de modo verdadeiramente eficaz, é necessário que os três elementos do CHA sejam envolvidos, observe!

Conhecimento: representam as habilidades cognitivas utilizadas para processar e reter informações. Fatos e conceitos aprendidos entram dentro desta categoria;

Habilidade: neste tópico, o que conta são as habilidades que permitem colocar em prática o que foi aprendido. A ação que representa bem esta categoria é aprender a fazer algo;

Atitude: aqui estão contidos os sentimentos que levam uma pessoa a desejar colocar em prática o conhecimento e as habilidades adquiridas. Desenvolver um ponto de vista com base em informações obtidas faz parte da atitude.

Conhecimento é Saber

O conhecimento é a condição de estar ciente a respeito de alguma coisa, representa o processamento cognitivo de uma informação. Envolve a recordação, a compreensão, aplicação e avaliação de fatos, padrões e conceitos. Pode ser medido através de exames escritos ou orais, nos quais o indivíduo registra ou expressa através de palavras o que sabe.

É através do contato com fatos e conceitos que uma pessoa tem a oportunidade de formar uma base para desenvolver determinada habilidade. Se formos comparar esta etapa com a preparação de uma receita de bolo, o conhecimento representaria a ação inicial, em que se lê a receita e identifica os ingredientes a serem utilizados e o passo a passo de sua execução.

Habilidade é Saber Fazer

A habilidade está relacionada à capacidade de realizar uma atividade ou tarefa, o que pode incluir movimentos físicos, coordenação e a aplicação do conhecimento teórico. É importante lembrar que, para se desenvolver uma habilidade, é preciso de treinamento e prática. Para se medir o quanto uma pessoa é habilidosa ao realizar determinada tarefa, observa-se a velocidade, precisão e técnica empregados na ação.

As habilidades geralmente são aprendidas através da observação de outros indivíduos realizando a tarefa ou por meio da informação teórica, que, em seguida, é colocada em prática. Voltando ao exemplo do bolo, aqui se encaixa a etapa em que as instruções lidas são seguidas e o doce começa a ser, de fato, preparado.

Atitude é Querer Fazer

A atitude é uma maneira de pensar ou sentir sobre alguém ou alguma coisa. Isso inclui o modo com o qual uma pessoa lida emocionalmente com as situações, o que acaba se refletindo em seu comportamento. Trata-se de um aspecto que afeta significativamente os sentimentos, os valores e as motivações para realizar algo.

O desenvolvimento ou aperfeiçoamento da atitude de uma pessoa costuma levar certo tempo. Afinal, é um tanto quanto desafiador mudar de atitude depois de ela estar acostumada a agir de determinada maneira por muitos anos. Além disso, não existe um método claro para medir o quanto alguém teve suas atitudes modificadas, já que isso é percebido aos poucos.

Exemplos de CHA – Conhecimento, Habilidade e Atitude

Para que entenda na prática o que conhecimento, habilidade e atitude representam, confira alguns exemplos bastante simples.

Conhecimento:

  • Reconhecer as peças de um automóvel;
  • Ler a lista de ingredientes de um bolo;
  • Saber os nomes das capitais dos países do mundo.

Habilidade:

  • Saber como consertar um automóvel;
  • Saber como preparar um bolo;
  • Saber enviar um e-mail.

Atitude:

  • Apreciar o trabalho de outras pessoas;
  • Estar motivado para se dedicar ao trabalho;
  • Valorizar o bom relacionamento com clientes.

Como Usar o Conceito de CHA – Conhecimento, Habilidade e Atitude Para Se Desenvolver e Construir uma Carreira de Sucesso

Agora que conheceu melhor o conceito de CHA e a importância do conhecimento, da habilidade e da atitude, confira dicas que irão te ajudar a utilizar isso para se desenvolver.

1 – Adquira Conhecimento

O primeiro passo para se desenvolver na carreira é adquirir conhecimento, o que pode ser feito através de cursos, pesquisas, palestra e mais uma série de maneiras. É importante que tenha o real desejo de saber mais, porque é isso que irá te motivar a seguir adiante.

2 – Coloque o Que Aprender em Prática

Ter conhecimento teórico é importante, porém, é através da prática que conseguirá entender o real sentido das informações absorvidas. Por essa razão, é essencial que coloque a mão na massa sempre que desejar fixar o que aprendeu. Inclusive, é necessário que tenha em mente que é a ação que te levará até os seus objetivos.

3 – Tenha Objetivos e Métodos Definidos

Por falar em objetivos, eles são indispensáveis para que se mantenha motivado e possa se tornar consciente em relação ao seu poder de ação e realização. E, para entender o que deseja realizar, é necessário que se conheça, se descubra e saiba onde quer chegar. Como sempre digo em meus treinamentos, quanto mais se conhecer, mais poderá se potencializar, então, vá em frente.

4 – Permita-se Experimentar

Para adquirir conhecimento e competências é preciso que tenha atitude e se permita experimentar. Durante o processo para desenvolver uma habilidade, por exemplo, é totalmente natural que cometa erros, inclusive, eles serão até positivos, pois te ajudarão a identificar pontos que pode mudar e melhorar.

5 – Observe o Seu Desenvolvimento

Outro ponto importante a ser considerado para manter a sua motivação é observar e reconhecer o seu desenvolvimento. Portanto, olhe para trás, veja o quanto evoluiu e está evoluindo a cada novo conhecimento e habilidade adquiridos. Assim, estará formando uma atitude positiva, de alguém que sabe que é capaz e que continuará dando o seu melhor em tudo o que fizer.

Você já conhecia o conceito de CHA – Conhecimento, Habilidade e Atitude? Espero que tenha gostado do artigo e que as informações aqui compartilhadas te ajudem a trilhar um caminho de aprendizado e evolução. Aproveite para compartilhar o link com os seus amigos e passar o conhecimento adiante!

Fonte: https://www.jrmcoaching.com.br/blog/cha-conhecimento-habilidade-atitude-elementos-essenciais-carreira-sucesso/

Dicas de Como Definir um Plano de Metas Pessoais

Dicas de Como Definir um Plano de Metas Pessoais

Todo começo de ano é a mesma coisa para a maioria das pessoas: é hora de fazer a lista de metas que deseja alcançar durantes os próximos 12 meses. Mais do que simplesmente definir quais serão os objetivos, é preciso determinar quais são as ações que precisam ser realizadas para que eles sejam cumpridos dentro do prazo. Além disso, é essencial manter um acompanhamento do que está sendo feito. Já pensou chegar a julho sem ter cumprido com nenhum dos passos para alcançar suas metas? 

Considerando o cotidiano agitado e a possibilidade de surgirem situações criadas por agentes externos, é bem complicado seguir com 100% das metas. Apesar disso, não é impossível. É preciso que você esteja empenhado em conseguir  e se esforçar todos os dias para isso. Fique tranquilo, estou aqui para te ajudar exatamente nisso!

Qual é o primeiro passo?

Um plano de metas é a primeira parte da construção do seu sucesso, pois, para chegar aonde você quer, é importante saber quais são seus caminhos e possibilidades e os passos até lá. Na prática, isso quer dizer que para sua vida pessoal avançar e seguir na direção que deseja, você precisa ter clareza do que verdadeiramente quer e almeja conquistar neste sentido. 

Para você ter uma ideia do que estou falando, confira alguns exemplos de metas pessoais: 

  • Acumular dinheiro para viajar para o exterior;
  • Realizar um intercâmbio para aprender outra língua;
  • Fazer uma especialização;
  • Comprar sua casa própria
  • Comprar o primeiro carro;
  • Fazer a festa do seu casamento para 200 convidados;
  • Mudar hábitos alimentares; 
  • Passar a fazer atividades físicas com regularidade;
  • Cuidar melhor de sua saúde física e psicológica;
  • Encontrar um novo emprego;
  • Tornar-se um coachee;
  • Melhorar as relações familiares ou amorosas. 

Você já colocou alguns dos exemplos acima como metas pessoais ou profissionais para você? Se você definiu outros tipos de objetivo e gostaria de compartilhar, é só escrever nos comentários depois de ler este artigo. 

6 dicas práticas para montar seu plano de metas pessoais

Para conquistar qualquer coisa na vida é preciso ter empenho, foco e dedicação. Confira 6 dicas importantíssimas para se considerar na hora de definir as metas. 

1 – Crie prazos possíveis: é preciso planejar com estratégia, agir, ter constância nas ações e, especialmente, prazos bem definidos e possíveis de serem cumpridos. Ou seja, não vale estabelecer que deseja comprar uma casa em um ano, se você não ganha o suficiente para fazer isso em 12 meses. Para isso, é preciso refazer as contas e determinar o tempo que precisa, considerando o salário atual. Quem sabe você precisa de 24 meses. Assim, você pode colocar como meta uma parcela do salário que você colocará em uma poupança para conseguir cumprir com objetivo em 2 anos. 

2 – Sinta-se animado com o que determina para sua vida: na prática, isso quer dizer que sempre que você definir uma meta, faça isso de forma motivada, determinada e focada e não apenas por fazer. Caso contrário, no primeiro dia você já irá desistir. Encontre um sentido para as suas coisas, para as suas causas e se guie por este desejo interior de realizar seus alvos. Este motivador vai te ajudar a manter os olhos no objetivo e não se perder no meio do caminho.

3 – Registre tudo que puder: outra boa estratégia ao definir seus alvos é escrever, seja no bloco de notas do seu computador ou celular, em uma agenda ou em um caderninho. Deixe a lista sempre à mão, ou melhor, à vista. Assim, você usa suas próprias palavras como incentivo. 

4 – Defina o passo a passo detalhadamente: enumere suas metas, determinando em cada uma delas como, quando, com quem, onde e por quê você vai realizá-las. Entenda o que considerar em cada uma dessas etapas:

  • Como: ações que devem ser realizadas para você atingir seu anseio, tais como estudar inglês, economizar dinheiro, cuidar de sua saúde.
  • Quando: prazo com mês e ano.
  • Onde: local, país, cidade em que deseja estar e realizar seu alvo.
  • Com quem: as pessoas que fazem parte de sua meta ou que podem te ajudar a realizá-la.
  • Por quê: quais são os benefícios, melhorias, vantagens e mudanças que o alcance desta meta pessoal vai trazer à sua vida.
  • Responda estas questões e se achar pertinente, acrescente mais informações que considerem importantes para motivá-lo ainda mais a agir. 

5 – Acompanhe seus resultados: é fundamental que você confira se você está seguindo todos os passos para cumprir com as suas metas. Do contrário, você só vai se dar conta que muito não está pronto quando chegar ao prazo final. Crie uma notificação na sua agenda do celular para que você confira o andamento dos seus objetivos uma vez por mês, por exemplo. Caso a sua meta seja mais agressiva, faça um cronograma mais detalhado para que você não deixe de cumprir com nenhum passo. 

6 – Estude mais: caso sinta que existe algo bloqueando você e limitando as suas mudanças e melhorias, minha dica final é investir em coaching. Este é método mais rápido e efetivo para realizar suas metas pessoais, evoluir, desenvolver suas competências e habilidades e conquistar grandes resultados. Usando técnicas eficazes, o coach vai te ensinar a exercitar o autoconhecimento e o autodesenvolvimento, essenciais para que você progrida todos os dias. No fim das contas, tudo que você aprender sobre si mesmo será um incentivo para que você alcance o alto desempenho na sua vida pessoal e profissional. 

Tem mais alguma recomendação que não está nessa lista? Escreva nos comentários para que todos nós aprendamos com você!

Agora que você já conferiu como elaborar um plano de metas pessoais de forma assertiva, é hora de começar a criar o seu. E não precisa esperar o fim ou o início do ano para isso. A qualquer momento que você sentir que a sua vida precisa tomar um rumo para assertivo, você pode fazer o seu planejamento e começar a colocá-lo em ação.

Boa sorte nessa jornada, pessoa querida! E se você quiser ajudar outras pessoas a fazerem seu próprio plano de metas é só compartilhar este artigo nas suas redes sociais. 

Fonte: https://www.jrmcoaching.com.br/blog/dicas-de-como-definir-um-plano-de-metas-pessoais/

BAIXAR O PDF
close-link